Exposição não consentida de conteúdos íntimos na perspectiva do Poder Judiciário brasileiro

Autores

DOI:

https://doi.org/10.53798/suprema.2022.v2.n1.a157

Palavras-chave:

Exposição não consentida de imagens íntimas, Violência de gênero, Poder Judiciário

Resumo

O Poder Judiciário exerce, tipicamente, a função jurisdicional, resolvendo o litígio posto sob sua análise sem deixar de atender aos reclames de quem o busca. Os desafios da contemporaneidade exigem do magistrado um papel hermenêutico mais voltado à realidade social, a exemplo da verificação do surgimento de nova modalidade de violência de gênero estabelecida pela utilização da Rede mundial de computadores, quando sujeitos passam a ter suas intimidades expostas na internet de forma não consentida. O presente estudo parte da análise das decisões emanadas pelo Superior Tribunal de Justiça e pelos Tribunais de Justiça Estaduais, após coletânea da jurisprudência nos respectivos sites a partir de palavras-chave que envolvem o tema em investigação, resultando no total de dezoito decisões prolatadas entre os anos de 2011 e abril de 2020. A partir dos dados obtidos, verifica-se que, majoritariamente, as vítimas da prática de exposição de conteúdos íntimos não consentida na internet são mulheres, cujas intimidades foram devassadas, quase sempre, por ex-companheiros insatisfeitos pelo fim do relacionamento afetivo, o que caracteriza típica violência de gênero de acordo com as definições de organismos internacionais e de estudos consolidados e balizados sobre a matéria.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANDRADE, Mariane Souza de. Pornografia por vingança: a intimidade da mulher exposta na internet. 2015. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Direito) – Faculdade de Ciências Jurídicas e Sociais do Centro Universitário de Brasília, Brasília, 2015. Disponível em: https://repositorio.uniceub.br/jspui/handle/235/8453. Acesso em: 16 maio 2022.

AUSTRÁLIA. Parliament. Senate. Legal and Constitutional Affairs References Committee. Report: phenomenon colloquially referred to as revenge porn. Canberra: Senate, Legal and Constitutional Affairs Committee, 2016. viii, 66 p. Disponível em: https://www.aph.gov.au/Parliamentary_Business/Committees/Senate/Legal_and_Constitutional_Affairs/Revenge_porn/Report. Acesso em: 30 jul. 2020.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2004.

BEAUVOIR, Simone de. O segundo sexo. 2. ed. São Paulo: Nova Fronteira, 2014.

BRASIL. Conselho Nacional de Justiça. Diagnóstico da participação feminina no Poder Judiciário. Brasília: CNJ, 2019. 27 p. Disponível em: https://www.cnj.jus.br/wp-content/uploads/conteudo/arquivo/2019/05/cae277dd017bb4d4457755febf5eed9f.pdf. Acesso em: 3 jul. 2021.

BRASIL. Conselho Nacional de Justiça. Justiça em números 2020: ano-base 2019. Brasília: CNJ, 2020. Disponível em: https://www.cnj.jus.br/wp-content/uploads/2020/08/WEB-V3-Justi%C3%A7a-em-N%C3%BAmeros-2020-atualizado-em-25-08-2020.pdf. Acesso em: 3 mar. 2021.

BUTLER, Judith P. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. 15. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2017.

CONSULTA jurisprudência. Tribunal de Justiça do Estado do Espírito Santo. Vitória, [2022]. Disponível em: http://aplicativos.tjes.jus.br/sistemaspublicos/consulta_jurisprudencia/cons_jurisp.cfm. Acesso em: 17 maio 2022.

CONSULTAS de jurisprudência. Tribunal de Justiça do Estado de Rondônia. Porto Velho, [2022]. Disponível em: https://webapp.tjro.jus.br/juris/consulta/consultaJuris.jsf. Acesso em: 17 maio 2022.

FERNANDES, Bernardo Gonçalves. Curso de Direito Constitucional. 9. ed., rev. atual. e ampl. Salvador: JusPODIVM, 2017. 1719 p.

FRANKS, Mary Anne. Drafting an effective revenge porn law: a guide for legislators. 2015. Disponível em: https://papers.ssrn.com/sol3/papers.cfm?abstract_id=2468823. Acesso em: 16 maio 2022.

INDICADORES da Central Nacional de Denúncias de Crimes Cibernéticos. SaferNet Brasil, [2022]. Disponível em: https://indicadores.safernet.org.br/index.html. Acesso em: 16 maio 2022.

INSTITUTO EUROPEU PARA A IGUALDADE DE GÉNERO. Relatório violência cibernética contra as mulheres e as raparigas. [Vilnius, Lituânia]: Eige, 2017. 8 p. Disponível em: https://eige.europa.eu/sites/default/files/documents/ti_pubpdf_mh0417543ptn_pdfweb_20171026164004.pdf. Acesso em: 16 maio 2022.

KRUG, Etienne G. et al. (ed.). Relatório mundial sobre violência e saúde. Genebra: Organização Mundial da Saúde, 2002. Disponível em: https://portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br/biblioteca/relatorio-mundial-sobre-violenciae-saude/. Acesso em: 16 maio 2022.

JURISPRUDÊNCIA. Tribunal de Justiça do Estado do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 2022. Disponível em: https://www.tjrs.jus.br/novo/buscas-solr/?aba=jurisprudencia&conteudo_busca=ementa_completa. Acesso em: 17 maio 2022.

JURISPRUDÊNCIA: Consulta jurisprudencial. Tribunal de Justiça do Estado de Alagoas. Maceió, [2022]. Disponível em: https://www.tjal.jus.br/index.php?pag=jurisprudencia. Acesso em: 17 maio 2022.

JURISPRUDÊNCIA catarinense. Tribunal de Justiça do Estado de Santa Catarina. Florianópolis, [2022]. Disponível em: https://busca.tjsc.jus.br/jurisprudencia/#formulario_ancora. Acesso em: 17 maio 2022.

LISBINO, Jhon. Exposição não consentida de conteúdos íntimos: questão de gênero. Revista do Tribunal Regional Federal da 1ª Região, [S. l.], v. 34, n. 1, p. 15–35, 2022. Disponível em: https://revista.trf1.jus.br/trf1/article/view/349. Acesso em: 21 jun. 2022.

LONGO, Ana Carolina Figueiró; KALLÁS FILHO, Elias. Poder Judiciário como agente de transformação social, transformado pela atuação social. Revista Ius Gentium, Curitiba: Uninter, v. 7, n. 2, jul./dez. 2016, p. 34-48. Disponível em: https://www.revistasuninter.com/iusgentium/index.php/iusgentium/article/view/261. Acesso em: 16 maio 2022.

McGLYNN, Clare; RACKLEY, Erika; HOUGHTON, Ruth. Beyond revenge porn: the continuum of image-based sexual abuse. Feminist Legal Studies, n. 25, p. 25-46, Springer 2017. Acesso em: 4 dez. 2020. Disponível em: https://link.springer.com/article/10.1007/s10691-017-9343-2. Acesso em: 16 maio 2022.

SALTER, Michael; CROFTS, Thomas. Responding to revenge porn: challenging online legal impunity. In: COMELLA, L.; TARRANT, S. (ed.). New views on pornography: sexuality, politics and the law. Westport: Praeger Publ., 2015. p. 233-256. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/294787403_Responding_to_revenge_porn_Challenges_to_online_legal_impunity. Acesso em: 16 maio 2022.

SCOTT, Joan W. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 20, n. 2, p. 71-99, jul. / dez. 1995. Disponível em: https://www.seer.ufrgs.br/educacaoerealidade/article/download/71721/40667. Acesso em: 16 maio 2022.

SILVA, Flávia de Carvalho. Tutela da intimidade: uma abordagem jurídica sobre a exposição e compartilhamento de conteúdo íntimo sem consentimento na internet. 2018. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Direito) – Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2018. Disponível em: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/27753. Acesso em: 16 maio 2022.

SYDOW, Spencer Toth. “Pedofilia virtual” e considerações críticas sobre a Lei 11.829/08. Revista Liberdades, n. 1, p. 46-65, maio/ago. 2009. Disponível em: https://www.ibccrim.org.br/noticias/exibir/7216/. Acesso em: 23 dez. 2021.

SYDOW, Spencer Toth; CASTRO, Ana Lara Camargo de. Exposição pornográfica não consentida na internet: da pornografia de vingança ao lucro. Belo Horizonte: D’Plácido, 2017. 188 p.

TELES, Maria Amélia de Almeida; MELO, Mônica de. O que é violência contra a mulher. 1. reimpr. São Paulo: Brasiliense, 2003. 120 p. (Coleção Primeiros Passos, 314).

TOKARNIA, Mariana. Acesso à internet aumenta entre crianças e adolescentes: o uso é desigual entre as regiões do país. Agência Brasil. Brasília, 23 jun. 2020. Disponível em: https://agenciabrasil.ebc.com.br/geral/noticia/2020-06/acessointernet-aumenta-entre-criancas-e-adolescentes. Acesso em: 8 mar. 2022.

Downloads

Publicado

2022-06-29